quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Miguel Esteves Cardoso



É amor quando não vemos razão nenhuma para amar e, ao mesmo tempo, o ser que amamos é a razão do nosso amor: com os seus defeitos mais ímpios, com as suas manias, com os seus gostos que apesar de dizermos que não gostamos é impossível deixar de o amar tal como é e com vontade de o levar a ver que pode mudar... mesmo que não mude amamo-lo...sem fim. O amor é até à morte... e depois disso. 

Sem comentários: