segunda-feira, 7 de março de 2016

E o tempo e a vida vai-nos mostrando que há coisas que nunca vamos estar preparados. Por muitos anos de existência na terra. Há coisas que ninguém está preparado para ouvir. Ou para dizer. Há coisas que preferíamos até nem saber, nem ver.
Mas não dá para fugir. Elas vem parar as nossas mãos, à vida, ao nosso destino....
Talvez esteja mesmo tudo escrito e na verdade há momentos na vida em que tudo parece fazer sentido, sabendo que nada é por acaso, as pequenas coincidências da vida não são apenas isso... Há muito que saber por detrás daquela coincidência. Olhares, sorrisos, atenção, avisos.... Mas a vida sabe e danos a perceber, nós é que não estamos sempre prontos para seguir essas pegadas.
A vida as vezes surpreendens e aquilo que nos parecia impensável a algum tempo atrás, mostra-nos com uma flexibilidade incrível que hoje o sangue que te corre pelas veias seja corajoso o suficiente para enfrentar alguns dos objectivos que nos vão sendo propostos.
Falar ajuda. Ouvir ainda mais. Tendo sempre consciência do que sentimos, falar e escrever sobre o mesmo, ajuda. Faz- nos entender que na verdade não faz sentido ter medo. Que devemos sempre enfrentar tudo de pés juntos e cabeça levantada. Que não devemos nunca temer ninguém!
Saberemos, porque sentimos enquanto seres humanos, que ter medo é racional, mas vamos sempre cruzar- nos com alguém no nosso percurso que nos mostre que não se deve nunca, por muito que tenhamos, mostrar medo! Medo à vida. Medo de viver... Chorar por ansiedade ou sofrer sem querer.Alguém que nos faça minimizar os problemas com a simplicidade de como vê a vida. Alguém que nos faça rir de nos, dos outros, do que nos aconteceu e do que nunca nos vai acontecer.
De ver sempre algo positivo em tudo. E de não levar as coisas com o coração na boca.
Se por acaso nunca se cruzarem com alguém assim... Sejam essa pessoa!
Eu tive a sorte de me conseguir transformar nessa pessoa.
Eu só vejo amor, sou feita dele e não vivo sem o dito. Eu tenho a noção que transmito isso mas agrada- me. Não sou, não sei e nem quero aprender a guardar rancores.
Não somos feitos para isso. Não temos tempo para isso. Fomos feitos para ser amados, para aprender e ensinar a amar. Devíamos ser todos apologistas disso. Não devíamos nunca fazer sofrer alguém. Não façam o que não gostariam que fizessem a vocês. Pensem e voltem a fazer.