sábado, 25 de fevereiro de 2017

Rodrigo Pereira


É quase inevitável que, hora ou outra, nos interessemos por alguém que nos cruza o caminho de vida. Alguém que desperte em nós, sensações até então pouco conhecidas. Alguém que, aos nossos olhos, pareça ser tudo àquilo que queríamos enxergar, alguém que pareça ter tudo, conosco, a ver . Alguém que com afeto, a nós, dirija um dizer, e que com esse nos cause um encanto instantâneo, que acenda uma pequena chama em nosso desejo adormecido de viver. Dessa forma, torna-se tão inevitável quanto se interessar por um alguém, o fato de que entremos também em relacionamentos amorosos em algum momento de nossa existência. Os relacionamentos que tanto nos irão ensinar a amadurecer, se com eles nos permitirmos aprender.

Quando nos apaixonamos por alguém, inevitavelmente, sentimo-nos encantados por essa pessoa. Todo o sentido da vida parece alterado nesse momento, nossa percepção mental, nossas sensações corporais e nossas vivências cotidianas parecem mais límpidas e tudo ao nosso redor parece estar um pouco diferente do que sempre estivera. É assim com todos nós. Nossa mente, ativada em suas sensações de prazer e recompensa, abastecida quimicamente pelo contato, deseja se apegar ao que está sentindo naquele momento, deseja se agarrar aquele estado mental incrível de forma recorrente, e entende querer viver em sua função e assim senti-lo para sempre. Esse apego passa a ser investido massivamente nessa nova relação que se inicia, e em poucos encontros já nos percebemos vinculados ao outro como nunca antes estivéramos: repletos de uma sensação de completude, segurança e satisfação, que é realmente muito deliciosa de se sentir. Naturalmente, aos poucos, nossa mente, vai se apegando áquele objeto de nosso encantamento, e criando um padrão de sensações mentais e físicas, emoções e pensamentos vividos a partir da relação que temos com esse. É praticamente inevitável que isso aconteça, e que bom que é assim, porque realmente a paixão e o desejo são experiências incríveis, que todos merecem sentir em suas vidas pelo menos uma vez.
Gostamos tanto do prazer e da recompensa que sentimos, quando estamos apaixonados, que não precisamos de tempo para achar que estamos amando, de que estamos felizes para sempre. Entendemos que estamos amando o outro quando desejamos seu corpo, quando apreciamos sua inteligência, sua jovialidade, seu jeito. Mas, que parte dele estamos realmente vendo? Nenhuma ainda, pois, perceba que nele estamos vendo a nós mesmos - auto centrados em nossas sensações, percepções e acontecimentos internos que são despertados - usamos o outro para nossa satisfação pessoal, usufruto do nosso desejo. Você chamaria isso de ato de amor ou de egoísmo? Nosso bem estar egóico, frágil feito vidro, baseia-se apenas nas nossas próprias percepções e reações egoístas catalogadas em boas ou ruins. E por isso julgamos o todo dessa maneira fragmentada. Assim, faço que o mundo lá fora se torne o inferno  que sinto por dentro, e por isso sofro em meus relacionamentos.

Mediante a tudo isso, sempre digo aos meus pacientes: que no amor verdadeiro, há muito mais amizade e companheirismo do que paixão e desejo (embora esses também existam). Mas, quem de nós está realmente disposto a investir no que se irá colher lá na frente e ainda sim sem nenhuma garantia disso?  Investir tempo em cultivá-lo vagarosamente para senti-lo para além da mente. Quantos de nós, nos arriscaremos a viver um amor genuíno?

Se você sente que já encontrou a pessoa certa para correr esse risco, comece desde agora seu cultivo. Aos poucos, torne-se um bom amigo, a presença acolhedora de seu companheirismo, a paz tranquilizante para o inferno de sua mente temerária. Invista na essência de seu relacionamento. Cultive, com muita calma e sabedoria, as sementes do amor, pois, se um dia você quis ter ao seu lado durante toda a vida um alguém para viver um relacionamento verdadeiro, sem o escravizar, ou ser desse um escravo; saiba que o amor é a única semente da qual nascerá uma bela árvore, cujo os frutos serão capazes de manter unidas até o fim, duas, ou mais pessoas dispostas a amar. Quando não restar mais nada, nada que possa ser útil, que possa preencher o seu ego de prazer e segurança, nada que possa mais te satisfazer, mas, que ainda sim te satisfaça por ser exatamente como é, você terá encontrado o amor. Quando dele não mais depender.



O amor é sim uma bela árvore, talvez a mais bela dentre todas, mas, sua natureza leva mais tempo para nascer e crescer do que as outras.


terça-feira, 21 de fevereiro de 2017




Infelizmente, quem possui uma essência por demais bondosa inevitavelmente será vítima do mau uso de suas ofertas por parte daqueles que só pensam em se aproveitar, em maldizer, em puxar tapetes, passando por muitas situações difíceis em que terá que confrontar o bem que possui com o mal que rodeia sua vida.
Mesmo que soe a clichê, a filosofia de botequim, não dá para fugirmos à constatação de que a bondade é a porta de entrada de incontáveis decepções. Porque o mundo atual vale-se da distorcida esperteza como válvula de sucesso, ou seja, muitos usam dessa esperteza com má fé, justamente em relação àqueles que confiam neles, àqueles que ingenuamente julgam o coração de todo mundo de acordo com o próprio.
E, por pessoa boa, não se relaciona, aqui, a alguém bonzinho, mas a uma pessoa com olhos limpos e generosos, com mãos que se estendem, com ouvidos atentos e coração leve. Trata-se daquele tipo de pessoa que não se nega a ajudar, que compartilha conhecimento, que divide riquezas da alma, sem apego emocional. Desapegam-se de si mesmas, porque somente se sentem humanas quando são parte de um todo.
São aqueles amigos que nunca demonstram desinteresse por nós, os colegas de trabalho que não são capazes de guardar para si algum tipo de conhecimento, os familiares que se lembram de nós mesmo do outro lado do mundo. Pessoas boas, gratas, sensíveis, com empatia suficiente para saírem de seus mundos e abraçarem o mundo de qualquer pessoa que precise de algo.
Infelizmente, quem possui uma essência por demais bondosa inevitavelmente será vítima do mau uso de suas ofertas por parte daqueles que só pensam em se aproveitar, em maldizer, em puxar tapetes, passando por muitas situações difíceis em que terá que confrontar o bem que possui com o mal que rodeia sua vida, a nossa vida, a vida de quem quer que seja. Triste, mas inevitável, a doçura da amabilidade sempre encontrará a contrariedade ferrenha do ódio amargo dos infelizes.
Pessoas bondosas costumam acreditar no melhor de cada um, pintando a vida com as cores leves da humildade e do acolhimento, desejando a felicidade alheia, pois querem que todos sejam tão felizes quanto elas próprias se sentem. E, ao longo do percurso, irão se deparar com o pior do ser humano, com a mentira, com a inveja, com a mesquinhez, com o mau-humor e a maldade daqueles que jamais serão capazes de sorrir com gratidão.
Mesmo assim, continuarão a sorrir, a caminhar tranquilamente, a acordar com o propósito de ser e de fazer gente feliz, porque é assim que sua alma se torna cada vez mais rica e agraciada com as bênçãos que só quem é alegre com verdade está pronto para receber. Todos os dias.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Bob marley

Só uma vez em sua vida, eu realmente acredito, você encontra alguém que pode virar seu mundo de cabeça pra baixo. Você diz a essa pessoa coisas que nunca compartilhou com outra alma, ela absorve tudo que você diz e quer até ouvir mais. Você divide suas esperanças para o futuro, sonhos que jamais se realizarão, objetivos que nunca foram alcançados e as tantas decepções que a vida te deu. Quando algo maravilhoso acontece, você mal pode esperar para contar a essa pessoa, sabendo que ela vai dividir essa empolgação com você. Essa pessoa não tem vergonha de chorar com você quando você está triste ou rir com você quando você age como um bobo. Ela nunca fere seus sentimentos ou faz você se sentir como se não fosse bom o bastante, mas sim te torna mais forte e te mostra as coisas em você que te fazem especial e belo. Com ela, não existe pressão, ciúmes ou competição, somente paz e tranquilidade quando ela está por perto. Você pode ser você mesmo e não se preocupar com o que ela pensará de você porque ela te ama pelo que você é. As coisas que parecem insignificantes para a maioria das pessoas, como uma nota, uma canção ou uma caminhada se tornam tesouros inestimáveis guardados em segurança em seu coração para serem acalentados para sempre. Memórias de sua infância retornam e são tão claras e vívidas, como se você voltasse a ser jovem de novo. As cores parecem mais vivas e mais brilhantes. Sorrir se torna parte da vida diária onde antes era raro ou até mesmo não existia. Uma ou duas ligações durante o dia te ajudam a enfrentar a longa jornada de trabalho e sempre trazem um sorriso à sua face. Na presença dessa pessoa, não há necessidade de uma conversa contínua, mas você se descobre muito feliz por apenas tê-la ali por perto.Você abre o seu coração sabendo que há uma chance de ele ser partido um dia e, ao abrir o seu coração, você vivencia um amor e alegria que jamais sonhou serem possíveis. Você descobre que ser vulnerável é a única maneira de permitir o seu coração a sentir o verdadeiro prazer que é tão real, que te assusta. Você encontra forças em saber que tem um verdadeiro amigo e possivelmente uma alma gêmea que permanecerá leal até o fim. A vida parece completamente diferente, empolgante e passa a valer a pena. Sua única esperança e segurança está em saber que essa pessoa é uma parte da sua vida.